SOLANO FERREIRA — Rondônia pode se beneficiar com o acordo Mercosul e UE

O acordo celebrado entre a União Europeia e o Mercosul vai beneficiar diretamente o estado de Rondônia que vem despontando na produção

0
25

O acordo celebrado entre a União Europeia e o Mercosul vai beneficiar diretamente o estado de Rondônia que vem despontando na produção agrícola. O mercado brasileiro que atualmente tem isenção em apenas 8% dos mercados internacionais estará presente em 25% da economia mundial no acordo. A agropecuária brasileira que atualmente exporta 18% da produção para a União Européia terá um mercado mais amplo e alcançara mercados ainda não atingidos. Rondônia como grande produtor de carne, leite e derivados terá importante parcela nesses negócios.

A população mundial está crescendo e a necessidade de alimento será cada vez mais um grande negocio. A União Europeia vai liberalizar 99% das importações agrícolas do Mercosul. Isso implica que ao todo, 81,7% dos produtos agropecuários terão tarifas de importação reduzidas ou eliminadas. Suco de laranja, frutas (melões, melancias, laranjas, limões, entre outras), café solúvel, peixes, crustáceos e óleos vegetais terão as tarifas zeradas. Dessa lista de compras, Rondônia contribuirá com o café (produto em expansão no cultivo estadual).

Não é de hoje que esse acordo vem sendo costurado. Iniciou lá atrás com o governo de Fernando Henrique Cardoso, passou pela era Lula, Dilma e consolida com Bolsonaro. Mas não está tudo pronto. Estimam em mais 15 anos para os ajustes de detalhes para que o volume de negócios atinja a totalidade. Entre esses detalhes é certo que envolverá questão como a redução climática e a diminuição do uso de agrotóxicos. Esses dois fatores o Brasil ainda precisa melhorar muito e ter o controle mais minucioso. As eras que seguem serão tomadas pela melhoria da vida na Terra e, essencialmente, novos hábitos alimentares e de comportamento socioambiental serão amplamente exigidos no mundo dos negócios.

Rondônia tem vocação e potencial agrícola. Por isso é necessário consolidar projetos que possam vislumbrar o futuro. Que tipo de produção alimentar o mundo consumirá nas próximas décadas, os volumes de produção em maior quantidade em menor espaço de cultivo, além de técnicas avançadas e sustentáveis são condições elementares para propor políticas de desenvolvimento e de utilização do espaço agrário, visando ocupar importante parcela nos negócios que devem ampliar nos próximos anos.

Investir mais em pesquisas, conhecimentos e estudos será fundamental para projetos a médio e longo prazo que possam manter a econômica regional aquecida e sustentável.


O QUE O BRASIL GANHA COM ISSO:

1.101 produtos para exportação.

US$ 125 bilhões a mais no PIB.

US$ 113 bilhões em investimentos.

17% para zero as tarifas de importação.

90% produtos importados com redução de tarifas.

31 países envolvidos no acordo.

25% da economia mundial no acordo.

780 milhões de pessoas consumidoras.



CURTA/SIGA/ACOMPANHE-NOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here