O prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves (PSDB), divulgou nota de pesar hoje, pela manhã, segunda-feira (18) lamentando o caso de feminicídio envolvendo uma professora da rede municipal da capital. Ela lecionava na escola EMEI Fernando Escariz. No domingo (17), Joselita Félix foi morta a pauladas pelo ex-marido, que invadiu sua casa em Candeias do Jamari.

Em nota, Hildon diz que recebeu com consternação a notícia da morte da servidora pública. Ainda segundo a prefeitura, a educadora era uma excelente profissional, sempre elogiada por onde passou na educação.

“Presto minha solidariedade à família e aos amigos de Joselita Félix, que marcou sua trajetória enquanto servidora pública municipal pela sua dedicação e luta em prol da educação. A todos, meus sentimentos”, disse o prefeito.


O corpo de Joselita foi velado na noite de domingo em uma funerária de Porto Velho e será sepultado nesta segunda-feira no cemitério de Candeias do Jamari.

Aos 47 anos, Joselita era servidora municipal de Porto Velho, mas atualmente morava em Candeias do Jamari para cuidar dos pais, um casal de idosos. Joselita Félix era graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Rondônia desde 1992 e também tinha bacharel em Direito pela Faculdade de Ciências Humanas, Exatas e Letras de Rondônia (2007).

O CRIME BÁRBARO — Joselita foi morta pelo ex-marido neste domingo, após ter a casa invadida em Candeias do Jamari. Conforme relato de um vizinho, o pai da educadora, um idoso, estava em casa e presenciou o ataque. O idoso ainda tentou salvar a filha e segurar o suspeito, mas também foi agredido.

Joselita não resistiu aos ferimentos na cabeça e morreu minutos depois. Já o pai dela foi socorrido e levado a um hospital na capital Porto Velho, onde segue em observação médica.



CURTA/SIGA/ACOMPANHE-NOS

Ainda não há comentários, seja o primeiro.