A professora paulistana Débora Garofalo é uma das 10 finalistas do Global Teacher Prizeda Varkey Foundation, associada à Fundação Victor Civita no Prêmio Educador Nota 10. Considerado o “Nobel” da educação a premiação internacional elege, anualmente, o melhor professor do mundo. O vencedor receberá 1 milhão de dólares em uma cerimônia nos Emirados Árabes Unidos, em março.

Embora sua formação original seja em Letras e Pedagogia, a professora de 39 anos conquistou os alunos da Escola Municipal Almirante Ary Parreiras, na periferia de São Paulo, construindo helicópteros, máquinas de refrigerante e carrinhos automáticos — um deles, inclusive, capaz de tocar a canção tema da animação Frozen.

Em 2014, percebendo a carência dos estudantes na área da tecnologia, candidatou-se para lecionar Informática Educativa para crianças do 1º ao 9º ano e, com recursos próprios, aprendeu a transformar lixo em protótipos de sucata. Daí nasceu a ideia de aliar sua disciplina à urgência local de combate às enchentes, em uma região marcada pela pobreza.


“Percebi que muitos alunos não iam à escola em dia de chuva, e que as enchentes eram agravadas pela quantidade de dejetos nas ruas. Pedi que eles observassem onde as pessoas descartavam e trouxessem os eletrônicos e objetos recicláveis”, conta Débora. Desde então, uma tonelada de lixo saiu das ruas, graças ao projeto que mobilizou a comunidade inteira. A iniciativa lhe garantiu um lugar entre os finalistas da premiação.



CURTA/SIGA/ACOMPANHE-NOS

Ainda não há comentários, seja o primeiro.