O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse nesta segunda-feira (15), que as passagens áreas devem ficar mais baratas a partir de setembro. Segundo ele, novas ofertas de voos e entradas de companhias aéreas estrangeiras no mercado regional vão refletir nas tarifas.

“Vai acontecer uma quantidade maior de oferta de voo. Essa oferta vai ter naturalmente um efeito sobre tarifa. A gente deve perceber isso a partir de setembro”, garante o ministro. Puxada pela recuperação judicial da Avianca, as passagens aéreas subiram 30,9% em setembro.

Nas rotas mais disputadas em que a Avianca tinha maior representatividade, os preços dispararam. Na ponte aérea Rio-São Paulo, considerada a mais rentável do mercado brasileiro, o aumento foi de 72%. O trecho entre Rio e Salvador, a partir do Galeão, teve alta de 84,09%.

Freitas lembrou algumas das companhias estrangeiras de baixo custo já estão operando no Brasil e disse que isso tem forçado empresas nacionais a comprarem novos aviões e a aumentarem suas rotas. Essas empresa também devem passar a operar voos domésticos.   

Segundo o ministro, entre três e quatro empresas low cost estão em conversas com o governo, interessados em atuar no país. “Temos empresas se estabelecendo no Brasil, com autorização na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), mas até serem operacionais há um caminho, que deve levar entre seis e oito meses”, afirma.


A ESPANHOLA GLOBALIA, dona da Air Europa, deve começar a voar no segundo semestre de 2020, disse o ministro. Sobre as outras empresas low cost, ele disse que as companhias devem começar com voos internacionais, para depois oferecerem rotas domésticas no Brasil. 

Ele minimizou a recuperação judicial da Avianca. Para ele, com liberdade de preços e rotas, empresas aéreas quebram em todo o mundo, mas são substituídas por outras. O ministro disse que a redução do ICMS sobre o querosene de aviação estimula o abastecimento nos locais e pode também vir com contrapartidas, como a disponibilização de mais voos e a possibilidade de stopover.



CURTA/SIGA/ACOMPANHE-NOS

Ainda não há comentários, seja o primeiro.