ELE ESTAVA INDO AO BANCO DO BRASIL QUANDO ENCONTROU A EQUIPE DO REPÓRTER RO

Sentado em sua silenciosa cadeira elétrica de rodas ele perambula por toda a cidade. Vai a todo canto, seja no Primeiro, seja no Segundo Distrito. “Não deixo de ir na Prefeitura, na T-20, pagar contas sem problemas”. Este é José Vital de Oliveira, um mineiro de Caratinga, de 64 anos e morador do Bairro D. Bosco, em Ji-Paraná, que há 15 anos viu-se na necessidade de se tornar um cadeirante por conta de um problema de saúde grave, que lhe tirou a locomoção e o deixou paraplégico.

ELE DEFENDE AS IDEIAS DO MOVIMENTO ‘CALÇADA PARA TODOS’

As pernas não o ajudam mais, mas a disposição de fazer a diferença e servir continua firme. Qualidade que ele, certamente, consolidou em sua passagem pela polícia quando era bem mais moço e que aprimorou ao longo da vida. Dias 11 e 13 sabe onde ele estará? Em Porto Velho, participando da Conferência Estadual do SUS para debater a acessibilidade no estado de Rondônia. José Vital é um dos defensores das premissas do movimento “Calçada para Todos”, espalhado por todo o Brasil e que tem como objetivo conscientizar a população sobre a importância de construir e conservar suas calçadas e engajar a comunidade na construção de uma cidade acessível.

José Vital, ou simplesmente, Zé Vital, encontrou a reportagem do Repórter RO na agência do Banco do Brasil, nesta sexta-feira (10), onde foi tratar de assuntos particulares. Entrar na agência foi fácil porque lá há uma rampa de acesso, mas ele lembrou que nem sempre foi assim. “A facilidade para o cadeirante está melhorando e o respeito também. Mas, ainda há muito o que fazer aqui em Ji-Paraná”, pontuou.



CURTA/SIGA/ACOMPANHE-NOS

Ainda não há comentários, seja o primeiro.