Governo emite nota explicando ação da Polícia Federal no caso na Operação Dúctil

0
39

Em coletiva realizada na tarde desta quarta-feira (10), o governador Marcos Rocha, disse que já determinou que a Controladoria Geral do Estado (PGE) iniciasse uma apuração interna para ajudar a Polícia Federal (PF), nas investigações da Operação Dúctil.

Ela foi desencadeada para desarticular esquemas de fraudes na aquisição emergencial de materiais e insumos médico-hospitalares para atendimento das demandas das unidades de saúde estaduais como estratégia de prevenção, enfrentamento e contenção da pandemia da Covid-19.

O governador informou que a PGE e Sesau estão empenhadas em deixar tudo muito fácil para que seja apurado pela PF. “Ressaltamos que a operação não era contra o secretário ou Governo. Objetivo era continuar as investigações das empresas que estão burlando o sistema e tentando vender ou vendendo para várias unidades da federação. Todos os órgãos de fiscalização tem nosso apoio e estamos colaborando”, disse Marcos Rocha.

Em Rondônia, segundo o governador, todos os produtos adquiridos foram entregues. “Não tem nenhum pendente que a gente possa dizer que não será entregue, não existe isso”, garantiu Marcos Rocha.

O governador disse ainda, que qualquer servidor que se aproveitar da máquina pública para lucrar de forma ilícita, será exonerado, investigado e processado, se for um servidor comissionado. Em caso se servidor de carreira, ele será afastado, investigado e processado.


O SECRETÁRIO DE SAÚDE, Fernando máximo, parabenizou o trabalho da Polícia Federal e disse que a Sesau está de portas abertas para o que for preciso. “Eu fico feliz por essa ação da PF porque é importante esse trabalho. Isso vai nos ajudar porque nesse momento de pandemia tem algumas empresas que podem estar se aproveitando desse momento. As portas estão abertas para a PF, tudo às claras”, disse.

Durante a coletiva, o controlador geral do Estado, Francisco Neto, falou sobre as medidas adotas pela CGE para apurar as notícias relacionadas à participação ou tentativa de participação fraudulenta de algumas empresas privadas. “Haja vista possível não capacidade técnica, a questão de conluio entre elas, uma vez que tentam se aproveitar de chamamentos públicos nessa hora tão emergencial, ou seja, o poder público faz o chamamento para que chame os interessados a apresentar proposta e escolher aquela que em tese atende preço, prazo, qualidade e quantidade, e assim vai fazer a execução”, explicou.



CURTA/SIGA/ACOMPANHE-NOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here