A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) de Rondônia disse nesta terça-feira (9) que encontrou em Rondônia três variantes do coronavírus circulando no estado: a B.1.1.28 (de linhagem brasileira), a P2 (variante encontrada inicialmente no Rio de Janeiro) e a B.1.1.33 (que aparece em países da América Latina e América do Norte).

As análises foram feitas com base em amostras coletadas em diferentes cidades do estado, entre elas: Porto Velho, Rolim de Moura, Alvorada do Oeste, Ariquemes e Cacaulândia.

Segundo Deusilene Vieira, pesquisadora em saúde pública da área de virologia da Fiocruz, em Rondônia, as variantes podem estar associadas com possíveis casos de reinfecção e escape diagnóstico.

O governo de Rondônia já foi informado sobre a situação. Nesta terça-feira, o governador Marcos Rocha pediu que a população escute os cientistas e respeite o distanciamento social.

“Nós chegamos ao nosso limite. Não temos mais como aumentar o número de leitos de UTI, estamos enviando pessoas para fora do estado. Então se for sair de casa use sua máscara e lave as mãos. Se for sair para comprar alguma coisa no comércio não leve crianças. Vá sozinho”, disse o governador.

Mesmo com o colapso no sistema de saúde, durante a live, o governador descartou a possibilidade de um fechamento total do comércio. Ele argumentou que o estado passou por três períodos de medidas mais restritivas e eles “não foram suficientes para frear completamente a pandemia”.


Para os cientistas, quanto mais a população estiver circulando, maior a possibilidade que novas variantes apareçam. “Sabemos que o momento é difícil, todo mundo está cansado de ficar em casa, mas precisamos de tempo para conter a pandemia. Iniciamos 2021 com esperança, que é a vacina, mas ela não vai resolver imediatamente todos os problemas do mundo”, disse Deusilene Vieira.

 


CURTA/SIGA/ACOMPANHE-NOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here