RISCO DE FALA DE OXIGÊNIO PARA ATENDER HOSPITAIS AMEAÇA PELO MENOS 30 MUNICÍPIOS DE RO, SEGUNDO A SESAU — Foto: Diêgo Holanda/G1

O secretário Estadual de Saúde, Fernando Máximo, afirmou que o Estado não tem como socorrer as prefeituras do interior de Rondônia em caso de desabastecimento de oxigênio. A declaração foi dada nesta sexta-feira (12), em uma audiência na Justiça sobre medidas de isolamento em Porto Velho.

O secretário explicou que o governo não consegue atender os municípios porque a rede estadual usa oxigênio líquido em tanques, enquanto os municípios utilizam oxigênio gasoso em cilindros. Apenas três unidades do estado usam oxigênio em cilindros nas cidades de Buritis, São Francisco do Guaporé e no distrito de Extrema, em Porto Velho.

O Governo de Rondônia declarou que o estado conta com um armazenamento considerável e descartou a possibilidade de falta de oxigênio na rede estadual. Os problemas seriam nas redes municipais.

Segundo Máximo, uma empresa fornece oxigênio para as unidades estaduais e para a prefeitura de Porto Velho. Para os outros municípios do estado, o fornecimento é realizado por outra empresa.

Ele explicou que desde a crise em Manaus (AM), pelo menos 10 reuniões já foram realizadas para garantir que o material não falte nas unidades estaduais, que reforçaram o estoque com reservatórios nos hospitais de campanha.


Outro ofício foi enviado e também não houve resposta. Já na quarta-feira (10), as cidades de Alta Floresta do D’Oeste, Cacoal, Guajará-Mirim e Santa Luzia D’Oeste relataram a possibilidade da falta de oxigênio.

“Então imediatamente nós mandamos um ofício para o Ministério da Saúde falando do alerta de quatro municípios. Duas horas depois que a gente tinha enviado o ofício para o Ministério da Saúde com o próprio governador também assinando, recebemos um comunicado da empresa. E o Ministério Público encaminhou [o comunicado] pra gente falando de 30 prefeituras que vão ter problemas nos próximos 15 dias“, afirmou.

Fernando Máximo disse também que ainda na noite quinta-feira (11), um novo ofício foi enviado ao MS, que retornou afirmando “estar tomando as providências”.

No final da tarde de sexta-feira (12), o Ministério Público Federal declarou que o ministro Pazuello já teria um plano emergencial para garantir o abastecimento de oxigênio para Rondônia e Acre, por ar e por terra. O plano ainda não foi apresentado.



CURTA/SIGA/ACOMPANHE-NOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here