DRª ROSANA – Mais respostas às dúvidas de cidadãos no trato com seus animais

0
83

27Nesta terceira semana a Drª Rosana Pereira Lima, diretora do Hospital Veterinário Pequenos Amigos e da Ong Amparo Animal, responde a mais questões encaminhadas por leitores à redação do Repórter RO. O objetivo ao fazê-lo publicamente é que, assim, as respostas, aos serem compartilhadas, possam servir a um grande número de pessoas interessadas em melhorar seu relacionamento com seus queridos bichos de estimação.

As perguntas podem ser enviadas pelo whatsapp 9.9328-1521. Vamos às respostas desta edição:

Por que é comum a gente ver cães comendo mato? Dizem que é porque eles estão com dor de de barriga. Isso é verdade? Bruna Tamara Mensch, dona da Fany, uma cachorra da raça Funny Pinscher, de quatro meses.                                                                                                                DRª ROSANA: Normalmente animais que comem mato ou grama o fazem porque estão com vontade de vomitar. O mato é um irritante da mucosa gástrica. Quando eles sentem azia ou estão tendo má digestão eles começam a comer mato, ou grama, para diminuir a acidez e evitar o vômito.

Como evitar que os pelos do cachorro e sua queda possam incomodar alguém com um quadro alérgico? Suzane Mastrangelo, dona de um cachorra chamada Kiara, com três anos de idade.

DRª ROSANA: O ideal é verificar, de fato, o que está causando esta queda de pelo do animal. A perda de pelos pode ter várias causas como fungos, alergias ou doenças bacterianas da pele. Então, é preciso primeiramente diagnosticar a doença e somente depois prescrever o  tratamento correto.


Como se chama aquela doença que derruba “as cadeiras” do animal, ou seja, tira os movimentos das patas traseiras? O animal ficou sem andar uns dois meses, mas, uma vez medicado pelo veterinário, voltou a andarRobson Silva Nascimento, dono do Rage, um cão da raça Chow Chow, que tem dois anos de idade.

DRª ROSANA: A paralisia dos membros inferiores pode acontecer por conta de hérnias de disco intervertebral, por sinomose, que é uma virose que acomete os cães não vacinados, ou por qualquer tipo de problema que afete a cabeça do fêmur, como a displasia coxofemoral. Cada problemas desses exige um tratamento diferenciado. A sinomose é muito grave,  pode até matar e, nesse caso, é difícil o cão voltar a andar. No caso da displasia coxofemora alguns anti-inflamatórios podem devolver ao cão a capacidade de andar, com a exigência ou não de cirurgia. Já no caso da hérnia de disco alguns medicamentos atuam com eficiência e podem fazer com que o animal volte a andar também.

De quanto em quanto tempo devo dar banho em meu gato e trocar a areia das fezes? Lucas Lock, artista tatuador em Porto Velho, dono do Orin, um gatinho sem raça definida, com apenas três meses de idade

DRª ROSANA: A troca da areia de um gato deve ser diária por conta de doenças que podem acometer os seres humanos e que advêm das fezes. Em relação ao banho, se for um gato de pelo longo, deve ser uma vez por semana. Se o gato for de pelo curto não há necessidade de banho a cada pouco, porque eles se lambem muito. A língua áspera deles limpa todos os resíduos que ficam retidos nos pelos.

Ouvi falar que já existem protetores solares específicos para pets, que bloqueiam os raios que causam danos à pele. Cães e gatos também podem desenvolver câncer de pele como os humanos? Marcel Castilho, webdesigner, em São Paulo que, por enquanto, não tem nenhum animal de estimação.

DRª ROSANA: É verdade. Os cânceres de pele podem também acometer os animais, principalmente os de pele clara e pelos claros. Os cânceres em animais devem sim ser evitados com o uso de protetor solar, que podem ser aqueles usados em seres humanos, que, inclusive, são mais baratos do que os de uso veterinário exclusivo.



CURTA/SIGA/ACOMPANHE-NOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here