O seleção canarinho joga daqui a pouco, às 14 horas, para se juntar às grandes seleções na Rússia, como Espanha, Argentina, Uruguais, Inglaterra e França, todas já classificadas para a fase de oitavas de final. Mas, numa Copa do Mundo até agora marcada pelas dificuldades de algumas grandes contra as menos tradicionais, o Brasil sabe que precisa jogar futebol para evitar surpresas.

Mas ainda: o Brasil enfrenta a Sérvia para não se apequenar nos Mundiais, principalmente depois do vexame de quatro anos atrás, quando perdeu feio para os alemães. Se não conseguir a classificação, vai voltar ao passado e repetir o tropeço de 1966, na Inglaterra, quando retornou para casa bem mais cedo – nessa época, a seleção brasileira não tinha as conquistas de 1970, 1994 e 2002. Era, portanto, apenas bicampeã mundial.

Tite leva para a decisão em Moscou a confiança de sucessos recentes nas 24 partidas que fez no comando do time, mas não esquece de tropeços retumbantes em sua carreira, como o ocorrido no Corinthians naquele 2 de fevereiro de 2011, diante do nanico e desconhecido Tolima, da Colômbia, pela pré-Libertadores. Às vésperas do jogo contra a Sérvia, ele se vale de lembranças e emoções que possam ajudá-lo a seguir na briga.

A seleção brasileira tem quatro pontos – 1 a 1 com a Suíça e 2 a 0 diante da Costa Rica. A Sérvia soma três. A possibilidade de o Brasil ser eliminado existe, e Tite não ignora o fato de a Sérvia se transformar no seu “novo Tolima”. Porém, está confiante e credita isso à evolução que diz ter visto do jogo da Suíça para o duelo com Costa Rica.



CURTA/SIGA/ACOMPANHE-NOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here