Conhecidos personagens da política de RO podem regressar ao cenário em 2022

0
19

A pandemia certamente será a tônica do debate público promovido a fim de prestar subsídios à sociedade na hora do voto em 2022. O atual governador, Coronel Marcos Rocha, ainda sem partido, tentará se manter nas rédeas do Palácio Rio Madeira por mais quatro anos: na outra ponta, todos os adversários farão o óbvio, ou seja, tentarão puxar o tapete do regente administrativo usando como mote a maneira com a qual seu estafe lidou com o vírus.

Se a gestão foi satisfatória na visão da população, certamente Rocha será conservado onde está; caso contrário, amargará o primeiro revés eletivo da vida.

Outro arquétipo de agente em stand-by se esgueirando pelas bordas com intenção de regressar ao mundo de quem dá as cartas é Maurão de Carvalho, ex-presidente da Assembleia Legislativa (ALE/RO). Também bem referendado pelo eleitorado que anos a fio o inseriu no seio do Legislativo estadual, o emedebista aparentemente cansou do hiato de hibernação reflexiva após a derrota em 2018 ainda no primeiro turno.

Tem perfil forte no quesito administrativo e pode incomodar quaisquer outros sujeitos que eventualmente intentem correr na direção do Poder estadual.

Outra figura fortíssima na penumbra está ligada à Região Central de Rondônia: Jesualdo Pires, que já comandou a fortíssima Ji-Paraná como prefeito e ainda ocupou assento na ALE/RO, assim como Maurão, destacou-se pelas hostes em que percorreu como homem público.

Foram dois mandatos no Legislativo: nos quatro anos iniciais ocupou a 1ª Secretaria da Mesa Diretora à época e inaugurou a devolução de recursos sobressalentes ao Estado de Rondônia.


À ocasião, o orçamento da ALE/RO era de R$ 100 milhões ao ano, e ao final do primeiro mandato, ou seja, quatro anos, fora exatamente esta a quantia devolvida para o Governo do Estado utilizar com outras coisas.  Jesualdo tem a seu favor não ser alvo de ações cíveis ou criminais envolvendo corrupção: suas contas, inclusive, foram aprovas pelo Tribunal de Contas (TCE/RO).

Por fim, três nomes precisam ser tratados como novatos porquanto ainda não alçaram suas credenciais à condição de eleitos: aí restam Jaime Bagattoli, o pecuarista muito bem votado nas eleições de 2018 (perdeu apenas para os eleitos Marcos Rogério e Confúcio Moura); Vinícius Miguel, o campeão de votos nas eleições de 2018 no quesito Capital; e Ramon Cujuí, que hoje ilustra o novo rosto do PT.



CURTA/SIGA/ACOMPANHE-NOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here