Caso da creche Carinho de Mãe: “Não há o que comemorar; minha creche foi fechada”, diz empresária

0
30

A mãe Camila Yasmin Pinheiro Barros Teixeira causou verdadeiro transtorno ao denunciar nas redes sociais que seu filho havia sido dopado na respectiva instituição educacional. Rapidamente a mensagem se espalhou e foi quando toda a confusão começou. A proprietária, Marília Gomes, possuía a época mais de 50 contratos, porém foi obrigada a fechar o estabelecimento devido as reincidências e ameaças.

Marília conversou com a equipe do site Rondoniaovivo, de Porto Velho e o Repórter RO reproduz aqui o seu apelo e as dificuldades originadas a partir deste fato: “Não existe o que comemorar, minha creche foi fechada, todo o estrago, todo o transtorno já foi feito, eu não vou receber nem 1% desse dinheiro, eu já tenho consciência disso”.

Ao lado do advogado Gustavo Nobrega, a dona da Carinho de Mãe, lembra que a época fez algo que não é normal para justiça: “geralmente quem acusa, tem provas para mostrar para as pessoas, nesse caso foi o contrário, a mãe da criança não tinha nada condenando a gente, já a gente o tempo todo provava nossa inocência, mostrando vídeos, buscando laudos, tudo o que podia ser feito para provar nossa inocência, nós fizemos”.

Nossa equipe também questionou a proprietária, se diante de tantos danos, a mãe da criança Camila Yasmin, a procurou em algum momento: “nunca, nunca ela nos procurou, depois disso tudo, nunca ela veio atrás da gente. Por isso eu faço questão que ela se retrate publicamente”.

De acordo com o processo n. 7023828-89.2015.8.22.001, Camila Yasmin Pinheiro Barros Teixeira, deve publicar em suas redes sociais e um jornal eletrônico de sua escolha, nota de retratação pública, sob pena de multa de 9.540,00, quanto as mentiras que divulgou sobre a Creche Carinho de Mãe.

Somando todos os danos da condenação, o montante ultrapassa os R$ 62 mil em valores que ainda devem ser atualizados com juros e correção monetária. Quando perguntada sobre o futuro, a dona da Creche Carinho de Mãe respondeu com lágrimas nos olhos: “Foram mais de 18 anos de trabalho e dedicação praticamente jogados no lixo, por mentiras, por inverdades, foi injusto! Meus funcionários foram acusados injustamente! Eu não sei se um dia, minha empresa volta a ser o que foi é muito difícil, sabe? É muito difícil tudo isso”, finaliza Marília.

A entrevista concedida juntamente com o seu advogado pode ser vista AQUI NESTE LINK.

Ainda não há comentários, seja o primeiro.