Autoridades, políticos, colegas e conhecidos se misturaram para prestar as últimas homenagens hoje (12) ao jornalista Ricardo Boechat, de 66 anos, em seu velório no Museu da Imagem e do Som (MIS), na Zona Oeste da capital paulista. O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), pretende homenagear Boechat pelos serviços prestados à democracia e liberdade de imprensa.

“Vamos buscar um espaço para homenageá-lo na cidade de São Paulo. Para que ele seja eternizado, para mostrar o exemplo que ele era para as futuras gerações”, afirmou Covas, que foi ao velório. O corpo será cremado no final da tarde de hoje.

O prefeito destacou o serviço que Boechat prestou ao país e à democracia com suas críticas contundentes. “É uma perda para a democracia, porque é o jornalismo livre, isento que garante a democracia no país. Sempre que ele falava todo mundo parava para prestar a atenção, colocava o dedo na ferida, ajudava a passar o país a limpo.”

VERUSKA SEIBEL BOECHAT, viúva do jornalista, lembrou durante o velório os últimos momentos na companhia do marido. “Ele saiu bem, estava feliz. A gente passou um fim-de-semana com todos os seis filhos dele, o que é uma coisa rara, são muitos. Os quatro adultos moram no Rio, as nossas filhas moram aqui”, disse.

A viúva afirmou que não gostava que o marido se valesse de serviços de mototáxi ou táxi aéreo para conseguir conciliar a agenda corrida. Boechat morreu em um acidente de helicóptero no início da tarde de ontem (11). A aeronave caiu na Rodovia Anhanguera, quando retornava de uma palestra em Campinas, mantado também o piloto Ronaldo Quatrucci.


“Tenho muito orgulho dele, da coragem dele. Porque fazer jornalismo e não se posicionar é muito cômodo do que comprar as brigas, como ele sempre comprou”, enfatizou Veruska, citando o marido no presente. 



CURTA/SIGA/ACOMPANHE-NOS

Ainda não há comentários, seja o primeiro.