Pacientes que precisam fazer hemodiálise em Ji-Paraná descobriram que podem ficar sem atendimento já a partir de amanhã, quarta-feira (26). Junto com familiares eles foram foram ao Ministério Público de Rondônia (MP-RO) na manhã desta segunda-feira (24) para expor o problema e cobrar providências.

Segundo familiares, a clínica responsável informou que o atendimento seria cancelado por não haver repasse o suficiente da prefeitura local. O secretário municipal de saúde, Renato Fuverk, no entanto, em entrevista à Imprensa tentou tranquiliza os pacientes dizendo que o problema será solucionado em poucos dias.

Vanderleia Portugal, que acompanha a sogra há quase um ano nas sessões, conta que a notícia a assustou, assim como toda a família. “Minha sogra faz hemodiálise três vezes na semana. Além do problema nos rins, ela também tem problema no coração. É uma questão de vida!”, alerta.

Ainda conforme Vanderleia, foi entregue à família um termo de transferência em que a própria família se responsabiliza pela vida dos pacientes. “Eu me recusei a assinar e todos os filhos dela também. Não há vagas para hemodiálise em todo estado, como vamos transferi-la? Como que eu e minha família vamos assumir esta responsabilidade se isso não cabe a nós? Não temos como dar o tratamento que ela precisa”, lamenta.

Com parte dos rins atrofiados, Glawcy Betzel dos Santos tem 52 anos e faz hemodiálise duas vezes por semana há quatro meses. Ela conta que ficou assustada com a notícia. Segundo a paciente, sair para buscar esse atendimento em outra cidade sairá muito caro e ela não tem tais condições. “É algo que necessitamos, é um direito. Sair daqui para outra cidade para receber este atendimento é completamente inviável”, explica.


O técnico da clínica responsável pelo atendimento em Ji-Paraná, Fernando Cereta, afirma que desde dezembro não há pagamento para o atendimento de 50 pacientes atendidos e que não há condições de continuarem o atendimento, pois para cada paciente tem um custo de cerca de R$ 2 mil mensais.

Por telefone, a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) informou  que a hemodiálise é de responsabilidade do município. Também por telefone, o secretário municipal de saúde de Ji-Paraná, Renato Fuverk, afirmou que este atendimento, na verdade, deve ser compartilhado entre o município, estado e a União.

Segundo Fuverk, o município conseguiu um teto que é suficiente para atender os pacientes de Ji-Paraná, mas há pessoas de outros municípios que são acolhidas no local. “Nós temos teto suficiente para atender os 94 pacientes de Ji-Paraná e mais 40 pacientes de outras cidades. Entretanto, atendemos 86 de outros municípios”, explica.

De acordo com o secretário, há esforços em todas as esferas para que o problema seja solucionado e não prejudique nenhum dos pacientes que precisam. “Este é um problema que não podemos demorar para solucionar. Acredito que em dois ou três dias já teremos a solução. O governador já sabe da situação, deputados também já trabalham para que este teto seja aumentado e consiga atender a todos”, afirmou Fuverk. 



CURTA/SIGA/ACOMPANHE-NOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here