Ainda há cartas da “Campanha Papai Noel” dos Correios para serem apadrinhadas na agência Centro dos Correios de Ji-Paraná. Das cerca de 900 crianças que escreveram para o Bom Velhinho este ano, 17% ainda não haviam sido  atendidas até esta quarta-feira, ou seja, 153 cartas estavam ainda à espera dos cidadãos de Ji-Paraná. A reportagem do Repórter RO esteve na agência e verificou que o procedimento para esta boa ação de final de ano é muito simples.

Basta comparecer lá das 8 às 17 horas, à Av. Marechal Rondon, 721, solicitar uma cartinha que vem com um registro a ser destacado e que pode ser levado para a compra do presente. A cartinha pode, e deve, ser lida pelo padrinho ou madrinha. Depois é só comprar o presente e retornar aos Correios com a  papeleta de registro em mãos, para que a criança autora da cartinha seja identificada.

O gerente da agência dos Correios, Vilmar Aparecido de Souza, lembra que a entrega dos presentes deve acontecer até o dia este dia 17, segunda-feira que vem. “Os padrinhos que adotarem as cartas precisam trazer os presentes até esta data, porque depois temos etapas de cadastramento, de etiquetagem que é a nossa rotina aqui nos Correios”, esclarece.

Cerca de 65 funcionários estão empenhados este ano nesta “Campanha do Papai Noel”, que está na  sua 29ª edição, em nível nacional. A entrega dos presentes estará a cargo da equipe dos 50 carteiros locais, que sairão às ruas em peruas vans no próximo dia 22. “Antes faremos também entrega de presentes no Creas, no Cmei Zilda Arns e na escola Celso Rocco. Dia 22 a  entrega será nos endereços informados nas cartinhas e que será a maior parte do nosso trabalho, ou seja, faremos cerca 500 crianças mais felizes neste dia”, salienta Vilmar.

O gerente frisa que agora houve um aumento de 18% em relação ao número de cartas enviadas aos Correios no ano passado.


PEDIDOS INUSITADOS —A encarregada de ler todas as cartas que chegaram foi a funcionária Lourdes Alves da Silva Nascimento, encarregada de Tesouraria. Ela está nesta função todas as tardes há cerca de 15 dias e continua lendo as últimas cartas que ainda estão chegando. Ela destaca que entre todas alguns pedidos inusitados chamaram a atenção. “Teve uma criança que, ao invés de presente, pediu uma cama porque disse que não tinha onde dormir. E foi atendida por um cidadão que ficou comovido. A cama será entregue por nossa equipe”, conta. Lourdes disse que teve outra criança que pediu uma caixa térmica de isopor e muitas querem ganhar cestas básicas e bicicletas. “Mas o pedido que mais temos aqui é de material escolar. As crianças querem estudar pelo visto”, brinca a funcionária.



CURTA/SIGA/ACOMPANHE-NOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here